MOVA-SE!

Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem (Rosa Luxemburgo)

Reflexão & Ação: "A aids é uma doença sob controle. Do vírus"

“O número de mortes que a gente vivenciava era muito diferente do que as estatísticas mostravam”, disse de cara Beto Volpe, fundador e consultor do Grupo Hipupiara Integração e Vida, que trabalha com prevenção à aids e acolhimento da pessoa que vive com o vírus HIV, entre outras doenças. Há 21 anos com o vírus, ele foi o convidado do último Reflexão e Ação, que debateu o tema no último sábado, dia 04. O dia 1º do mês marcou o Dia Mundial de Luta contra a Aids, e a Rádio da Juventude aproveitou a data para trazer à tona a questão.

O papo com Beto Volpe foi bem-humorado, descontraído, mas não deixou de ser sério. Beto trouxe números, a realidade da doença, e até seus remédios para de tratamento. Na semana passada, ele havia escrito um artigo, intitulado “Cai o mito da mortalidade em aids”, em que comenta estudos recentes que mostram que os efeitos colaterais da doença (ou da medicação?), como problemas no coração, cânceres, etc, estão vitimando muitos soropositivos. E geralmente essas causas não são contabilizadas como morte por aids. 

No programa Beto Volpe também contou um pouco de  sua própria história de vida, e os problemas que enfrentou (com o apoio da família, ressalta) nesses 21 anos em que convive com a doença. Hoje toma 9 comprimidos por dia, mas já foram mais de 1 mil num mês. Ele também totaliza 17 cirurgias, e nesta semana tem mais uma – a retirada de um tumor.

Numa conversa franca e livre, também não faltaram críticas: aos interesses dos grandes laboratórios, à mídia, à intolerância, e aos próprios movimentos sociais, que em sua opinião estão acomodados. “A gente está se permitindo deixar de sonhar com um mundo melhor”, alertou.

Ele também lembrou a respeito do alto número de infectados por HIV na Vila Margarida, em São Vicente, o bairro coberto pela Rádio da Juventude.